Treinador cristão demitido por orar em campo vence processo na Suprema Corte dos EUA

Autor: Redação HolyNews

Suprema Corte dos Estados Unidos decidiu que um distrito escolar de Washington errou ao punir um técnico de futebol do ensino médio por orar no campo após os jogos.

Em uma decisão divulgada na manhã desta segunda-feira, 27, a Suprema Corte decidiu por 6 a 3 que o Distrito Escolar de Bremerton discriminou o treinador Joe Kennedy.

O juiz Neil Gorsuch emitiu a opinião do tribunal, sendo acompanhado pelo presidente do tribunal John Roberts e pelos juízes Clarence Thomas, Samuel Alito, Amy Coney Barrett e Brett Kavanaugh.

“Kennedy orou durante um período em que os funcionários da escola estavam livres para falar com um amigo, fazer uma reserva em um restaurante, verificar e-mail ou atender a outros assuntos pessoais. Ele ofereceu suas orações em silêncio enquanto seus alunos estavam ocupados. Ainda assim, o distrito escolar de Bremerton o disciplinou de qualquer maneira”, escreveu Gorsuch.

“Tanto as cláusulas de livre exercício quanto de liberdade de expressão da Primeira Emenda protegem expressões como a do Sr. Kennedy… A Constituição e o melhor de nossas tradições aconselham respeito e tolerância mútuos, não censura e supressão, tanto para visões religiosas quanto não religiosas.”

Em resposta à opinião de hoje, Kennedy disse: “Isso é tão incrível. Tudo o que eu sempre quis foi voltar ao campo com meus garotos. Sou incrivelmente grato à Suprema Corte, à minha fantástica equipe jurídica e a todos que nos apoiaram. Agradeço a Deus por responder nossas orações e sustentar minha família durante esta longa batalha.”

Kelly Shackelford, presidente, CEO e consultora-chefe da First Liberty, um escritório de advocacia de liberdade religiosa com sede em Plano, Texas, que representou Kennedy, saudou a decisão do tribunal como uma “tremenda vitória para o treinador Kennedy e liberdade religiosa para todos os americanos”.

“Nossa Constituição protege o direito de todo americano de se engajar em expressões religiosas privadas, incluindo orar em público, sem medo de ser demitido”, acrescentou. “Estamos gratos que a Suprema Corte tenha reconhecido o que a Constituição e a lei sempre disseram – os americanos são livres para viver sua fé em público”.

A juíza Sonia Sotomayor escreveu uma discordância, acompanhada pelos juízes Stephen Breyer e Elena Kagan, na qual ela argumentou que “este Tribunal reconheceu consistentemente que os funcionários da escola liderarem a oração é constitucionalmente inadmissível”.

“A oração liderada por oficiais atinge o cerne de nossas proteções constitucionais para a liberdade religiosa de estudantes e seus pais, conforme incorporado tanto na Cláusula de Estabelecimento quanto na Cláusula de Livre Exercício da Primeira Emenda”, escreveu ela.

“Esta decisão é um desserviço às escolas e aos jovens cidadãos que servem, bem como ao compromisso de longa data de nossa nação com a separação entre Igreja e Estado”.

Paul Cement, ex-procurador-geral dos EUA e advogado da rede First Liberty que defendeu o caso de Kennedy perante os juízes, disse: “Depois de sete longos anos, o técnico Kennedy pode finalmente retornar ao lugar ao qual pertence – treinando futebol e orando silenciosamente sozinho após o jogo. Esta é uma grande vitória para o treinador Kennedy e a Primeira Emenda.”

Entenda o caso

Um cristão devoto, Kennedy tinha a prática de ir para a linha de 50 jardas depois dos jogos de futebol americano do ensino médio e orar, muitas vezes com admiradores e alunos se juntando a ele.

Em 2015, o distrito escolar suspendeu Kennedy por orar em campo após os jogos e depois decidiu não renovar seu contrato por causa de sua recusa em parar de orar em campo.

Kennedy processou o distrito escolar em 2016, acusando-os de violar sua liberdade religiosa.

No início deste ano, Shackelford disse que a First Liberty estava representando Kennedy porque “nenhum professor ou treinador deve perder o emprego por simplesmente expressar sua fé em público”.

Um painel de três juízes do Tribunal de Apelações do Nono Circuito dos EUA decidiu contra o treinador em 2017, enquanto a Suprema Corte inicialmente se recusou a ouvir seu caso em 2019.

Em março do ano passado, um painel de três juízes do Nono Circuito novamente decidiu contra Kennedy, com o juiz Milan D. Smith Jr. sendo o autor da opinião unânime.

Em janeiro, a Suprema Corte concordou em ouvir um recurso no caso e ouviu argumentos orais no final de abril, com os juízes debatendo se a prática de oração de Kennedy era coercitiva.

COLUNISTAS

Últimos Conteúdos