E se Jesus tivesse perfil nas redes sociais?

Neste episódio, o apresentador conta Como ele gostaria de ver como seria o perfil de Jesus nas redes sociais.

Onde está mesmo a nossa fé?

Neste episódio, o programa nos mostra que se a fé tem a ver com crer, acreditar, confiar apenas. Esse deus que muitos creem conhecer, é a divindadezinha mais pobre e fraca que existe, posto que precisa do meu comando pra agir. Confira!

A sabedoria em desacelerar na vida

Neste episódio, o programa questiona o quanto temos de fato, aproveitado a vida que passamos, sob uma perspectiva não observada por muitos, em cada passagem de ano.

O Natal das mudanças de rota

Rubinho lança o desafio de que este Natal deve ser marcado por uma mudança do curso normal da rota de vida de todos nós, assim como os encontros com o Senhor do Advento, produziram na de muitos.

O natal dos heróis improváveis

Neste episódio, Rubinho defende que assim como não houve impossibilidade humana para que o Messias esperado surgisse em Belém, nem sequer heróis dignos através de quem o fizesse, o Natal pode ser celebrado por todos nós, a quem Ele pode usar para o cumprimento do Seu propósito.

O livro das piores e das melhores notícias

Neste episódio, o apresentador Rubinho Pirola, revela por que as Escrituras são portadoras de Boas Novas, somente após trazer-nos um diagnóstico que, afinal, todos já percebemos, a respeito de nós e do que temos feito na nossa existência.

A oração modelo pra quem é modelo

Neste episódio, Rubinho fala sobre a oração modelo para o cristão, aquela que Jesus ensinou, em toda sua simplicidade, em contraste às práticas que vemos nos nossos dias.

Não agindo Deus, Quem pode?

Neste episódio, 0 apresentador mostra, que muitas das vezes, quando as coisas não saem como o esperado ou os nossos planos, tentamos achar culpados, quando tudo pode ter a ver com o fato de Deus, que tem tudo sob Sua vontade, pode ter outros planos e direção para os nossos pés.

Andar para o que já vejo

Neste episódio, o programa nos chama a ver que o nosso chamado está alicerçado não nas nossas expectativas, à busca do que julgamos necessitar, mas naquilo que já recebemos. E só por isso, o nosso louvor e a nossa gratidão têm razão de ser.

Servo e senhores

“Todos os servos que estão debaixo de jugo considerem dignos de toda honra o próprio senhor, para que o nome de Deus e a doutrina não sejam difamados. Também os que têm senhor crente não o tratem com desrespeito, porque é irmão; pelo contrário, trabalhem ainda mais, pois ele, que partilha do seu bom serviço, é crente e amado. Ensine e recomende estas coisas.” (1Timóteo 6.1,2)