“Sim ou Não”: Fábio Sampaio em collab com Mauro Henrique e Lito Atalaia

Autor: Redação HolyNews

No novo single “Sim ou Não”, pela Sony Music, Fábio Sampaio questiona: “Qual a cor do teu ódio? / Qual o lado da tua razão? / Qual valor aos teus olhos traz algum sentido ao sim ou não?”. A música traz uma crítica ao atual retrato da sociedade. A artista se inspirou em um fato que repercutiu bastante na mídia: o episódio em que dois homens brancos espancaram até a morte um homem negro dentro de um supermercado de Porto Alegre (RS). “Sim ou Não” traz as participações de Mauro Henrique e Lito Atalaia.

“Essa música começou a ser pensada em novembro de 2020, depois do fatídico caso do homem negro morto em um supermercado em Porto Alegre. Ao ver as notícias, escrevi no twitter “Todo dia uma tristeza pra chamar de nossa” e essa frase me incomodou por dias e, somado às tensões políticas e ideológicas que temos vivido nos últimos anos, foi o caldeirão de sentimentos que me levou a escrever essa faixa”, revela o cantor.

Fábio enfatiza que o público pode aguardar por uma música bastante diferente de suas apresentações, mas que ressalta uma mensagem necessária e urgente para o momento atual. “A música fala de racismo, distorções da realidade, o mal disfarçado de bem, das falsas certezas e das tensões políticas e ideológicas que temos vivido. Um verdadeiro caldeirão de ideias, mas não vou falar muito pra não estragar a experiência do público”.

Fábio, que sempre faz experimentações em seus projetos, contou com a produção musical do beatmaker Yuri Costa, que já trabalhou com os cantores Estêvão Queiroga, Mauro Henrique e Pedro Valença e a banda O Bairro Novo.

“Queria algo bem industrial, moderno e soturno. Algo que valorizasse musicalmente a urgência da letra e que, ao mesmo tempo, não deixasse de ser pop. Ao convidar o Lito para o rap e o Mauro para o dueto a canção subiu muito em nível de qualidade e profundidade. Quando a estrutura da música estava pronta, antes mesmo de chamar o Yuri, percebi que faltava algo na canção. Então decidi convidar o Lito para trazer sua identidade à canção. Foi uma decisão mais do que acertada. O Mauro já estava no radar para essa faixa desde o dia em que a escrevi. Pensei no refrão com duas vozes onde a mais aguda só faria sentido se fosse com ele. Não sei como faria sem a personalidade e virtuosismo dele nessa música”, revela Fábio.

Lito Atalaia é conhecido por emprestar sua voz a canções que expõem as mazelas da sociedade e até mesmo da igreja. Ele destaca que é sempre bom integrar um projeto que serve de alerta, “melhor ainda quando tem a sensibilidade de nos pôr em primeira pessoa”.

“Tudo que escrevo e sai daqui como uma voz de “cuidado com seu caminho” ou “veja bem as atitudes que tem tomado”, passa por mim primeiro. Não é uma canção que diz ‘Avaliem suas atitudes’, sem antes me dizer para avaliar as minhas. É um alerta para nós e não para eles e, de fato, devemos nos questionar sobre o que nos trouxe e como nos trouxe aqui para não tentarmos adivinhar, mas concluir o que estamos fazendo e para onde estamos indo. Se os dias parecem não ser bons, e não são, é bem provável que nós tenhamos algo a ver com isso. A parte boa é que Deus segue nos dando tempo para mudarmos enquanto cidadão e sociedade e, a partir daí, depende de nós. Acho que ‘Sim ou Não’ questiona sobre isso, sobre como cada um procede a partir desse ponto”, explica Lito.

Mauro Henrique é o responsável pelos agudos na canção. O artista também expressou a satisfação por ter participado do projeto. “Quando o Fábio me mostrou a canção, já achei legal de cara. Afinal, a letra tem tudo a ver comigo e já gostava de suas letras. Acabei indicando a produção do Yuri Costa e quando a música voltou… Uau! Pirei! Daí, com a participação do meu brother Lito, fui à loucura. Foi um prazer fazer parte disso”, declara.

O ano de 2022, segundo Fábio Sampaio, será de muita produção, bem mais do que nos anos anteriores. “Tenho muito que dizer e algumas novas canções já estão na fila de produção. Isso somado a um novo projeto da Tanlan, que já está em fase de gravação, e novos singles da Igreja Presbiteriana Perdizes (IPPerdizes), igreja em que tenho liderado o projeto da música. Então, posso dizer que 2022 promete!”.

COLUNISTAS

Últimos Conteúdos