Microchip na mão para pagamento de compras já está em uso

Autor: Redação HolyNews

Essa tecnologia do implante do chip para fins de localização geográfica (como se fosse um GPS) já existia, mas agora é utilizada também para efetuar o pagamento de compras dando aos clientes mais comodidade. Paralelo ao surgimento de acessórios como resultado do progresso e da movimentação de capital, observa-se uma preocupação no meio evangélico no que diz respeito ao sinal da besta do apocalipse.

É que interpretações das profecias bíblicas apontam que, no futuro, alguns meios digitais vão substituir o dinheiro utilizado atualmente e que este novo sistema de pagamento está associado à marca da besta, por causa do chip implantado sob à pele da mão da pessoa que recebe o implante. Acredita-se que é uma experiência que remete ao texto de apocalipse 13. “Também obrigou todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e escravos, a receberem certa marca na mão direita ou na testa, para que ninguém pudesse comprar nem vender, a não ser quem tivesse a marca, que é o nome da besta ou o número do seu nome.”

Seria esta uma referência fiel ao antagonista de Cristo? Uma ferramenta escatológica dos que abandonam a fé cristã? Estamos ameaçados por um sistema de crédito universal anticristão? O fato é que o chip já está a venda. A empresa Walletmor se tornou a primeira a tornar esse meio digital uma realidade no mundo. O chip que pesa menos de um grama e é pouco maior que um grão de arroz, é composto por um minúsculo microchip e uma antena envolta em um material semelhante ao plástico.

Uma pesquisa de 2021 com mais de 4 mil pessoas na União Europeia e no Reino Unido descobriu que 51% considerariam fazer um implante. No entanto, o relatório acrescentou que questões de invasão e segurança continuam sendo uma grande preocupação para os entrevistados.

Várias edições de Comunhão abordou o tema com teólogos, entre eles o professor Kener Terra, da Faculdade Unida. “Vejo o surgimento dessa tecnologia como resultado natural do progresso e dos interesses das grandes corporações. Qualquer coisa além disso seria especulação e teoria da conspiração. Ele descarta qualquer relação entre o biochip e o sinal da besta. “O texto (Ap 13) refere-se ao contexto do Império Romano e ao imperador simbolizado pelo número. Inclusive, no Apocalipse há os marcados pela besta e os marcados por Deus (Ap 9:4). Então, as marcas no livro do visionário João se referem à divisão dos grupos que pertencem à besta, que representa Roma e seu sistema, e aos que pertencem ao grupo dos seguidores do Cordeiro. Identificar a marca da besta com o chip é retirar o contexto e obrigar os leitores de linha futurista a identificarem hoje nas tecnologias modernas o que seria a marca de Deus, uma tarefa muito difícil.”

O Pr. Oséias Silva dos Santos, da Primeira Igreja Batista em Teixeira de Freitas (BA), sustentou que os crentes acreditarem que um chip pode ser a marca da besta é desviar o foco. “Pior não é o chip, é o crente se submeter a um sistema mais preocupado em ter do que compartilhar, mais preocupado com o eu do que com o amor fraterno. Mais preocupado em querer ser Deus do que a amá-lo e obedecê-lo. É isso que trata o apocalipse, diz para ter sabedoria e entendimento e não se desviar do foco, que é Cristo Jesus”, afirmou o pastor.

A tecnologia que a Walletmor usa é a comunicação de campo próximo ou NFC, em inglês – o sistema de pagamento por aproximação em smartphones. Outros implantes de pagamento são baseados em identificação por radiofrequência, que é a tecnologia similar normalmente encontrada em cartões de débito e crédito físicos por aproximação.

COLUNISTAS

Últimos Conteúdos